A saúde ocupacional é uma ferramenta eficiente para quem busca aumentar o nível de satisfação de seus colaboradores e reduzir gastos na empresa.

Muita gente acha que o departamento de saúde ocupacional somente trata dos exames admissionais e demissionais da empresa. Quando o profissional dessa área ouve algo como a afirmativa anterior geralmente tem duas reações: ficar espantado pelo desconhecimento sobre uma área de vital importância para o bom funcionamento da organização e frustração, claro. Afinal, se fosse assim tão simples, o trabalho seria bem mais fácil do que é, na realidade.

Saúde ocupacional, resumidamente, é uma área especializada da medicina que trata do bem-estar no ambiente de trabalho. Aplica-se adaptando os espaços e processos buscando melhoria na qualidade de vida dos trabalhadores daquele local. O Ministério do Trabalho é que fiscaliza esse setor.

Para mostrar como é importante a atuação deste departamento nas empresas de transporte, neste texto vamos responder 6 perguntas sobre o tema. Afinal, deixar a saúde em risco é algo que ninguém quer, certo? Então, boa leitura!

1. O que é saúde ocupacional e por que ela é tão importante?

A saúde ocupacional lida de forma exclusiva com a saúde do trabalhador. Visa prevenir o aparecimento de doenças e de problemas que podem ser causados pela atividade profissional que se exerce ou pelo ambiente onde se executa.

A empresa que investe nessa área consegue demonstrar que se preocupa com seus colaboradores. Transparece que está interessada em melhorar o bem-estar no local de trabalho e que seu funcionário trabalhe com mais qualidade de vida. A produtividade de cada um é reflexo também de um ambiente de trabalho sadio, o que impacta diretamente na motivação dos empregados, concorda?

Para que qualquer pessoa seja plenamente produtiva, é preciso que tanto a área profissional, quanto a saúde e área pessoal andem em harmonia. Como as organizações não podem ajudar em todos os âmbitos da vida dos colaboradores, devem priorizar aqueles assuntos que são de sua competência. A saúde ocupacional é um desses aspectos que merece caprichosa atenção.

É o recurso mais eficiente contra os riscos enfrentados pelos empregados em sua rotina. Exames admissionais e demissionais são apenas exemplos das atribuições que cabem ao setor de saúde ocupacional, responsável por muitos outros processos.

Inclusive, com a criação da Norma Regulamentadora (NR)7, agora é obrigatório para toda empresa que deseja realizar contratação de pessoal, a realização do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO). Busca garantir que o contratante informe ao contratado dos riscos envolvidos no exercício da função e em seu local de trabalho, assim como exigir que zele pela saúde e bem-estar de todos os envolvidos em seus processos internos.

A saúde ocupacional é considerada de extrema importância. É o que garante que todo os funcionários possam desempenhar suas funções com tranquilidade, legalidade e conforto. Tanto o bem-estar físico quanto o emocional colaboram para uma boa atmosfera no clima organizacional.

2. Como a saúde ocupacional atua no espaço de trabalho?

Uma de suas atribuições é adaptar e alterar o ambiente onde os profissionais trabalham para torná-lo adequado e legal para tal. Elaborar os mapas de risco de cada andar e setor, trocar mesas, cadeiras e adicionar o encosto de pés ao mobiliário do escritório, por exemplo, são formas de tornar o ambiente mais propício ao labor.

Para o setor de transporte, nosso próximo item a ser abordado, a saúde ocupacional pode reservar a sala de descanso para os motoristas e exigir melhorias nos banheiros e pontos de apoio em seu trajeto para ajudar na qualidade de vida de quem trabalha no trânsito.

Há uma questão recorrente sobre o estado de conservação da estrutura destinada ao uso dos motoristas e comissários nas estradas brasileiras. Trata-se de banheiros, vestiários e copas que os motoristas utilizam quando não estão nas garagens ou sedes das empresas em que trabalham.

3. Quais são as particularidades da saúde ocupacional para o mercado de transporte?

Quem trabalha com transporte está sujeito, por exemplo, a exposição de ruídos em excesso. O barulho dos motores pode ultrapassar os 85 decibéis extrapolando a orientação da legislação. A partir disso, os motoristas podem começar a desenvolver zumbido, perda auditiva e surdez, doenças incapacitantes, de ação lenta a aparecimento progressivo.

As questões ergonômicas para os trabalhadores do setor de transporte também são muito pesquisadas pelos profissionais da saúde ocupacional. As longas jornadas atrás do volante exige desses trabalhadores uma sequência contínua de movimentos repetitivos.

Imagina se, principalmente no setor de transporte, seja de carga ou de passageiros, onde sabemos que a rotina agitada afeta a saúde do motorista, não houvesse normas para zelar por esses profissionais.

A Lei do descanso, que prevê a obrigatoriedade de pausas após determinado tempo ininterrupto ao volante é um exemplo de como a saúde ocupacional pode atuar para beneficiar o trabalhador.

Assim como a Lei do motorista que tornou obrigatória a realização do exame toxicológico de larga janela de detecção, para as categorias C, D ou E, trazendo mais segurança para as vias e rodovias.

A saúde ocupacional para o setor de transporte também assiste aos carregadores, expostos a poeira, sujeira e desgaste físico. Precisam de equipamentos de proteção adequados como luvas, colete cervical e botina fechada.

Para o segmento que estamos abordando, a saúde ocupacional ajuda a prevenir, diminuir ou controlar diretamente os riscos. Confira alguns casos facilmente observáveis.

  • má postura;
  • lesão por esforço repetitivo;
  • estresse;
  • diminuição e/ou perda da audição;
  • dores musculares;
  • acidentes de trânsito.
Deixe seu email e ganhe desconto na compra do seu Exame Toxicológico na LABET!

4. Em quais segmentos o RH pode atuar para melhorar a saúde ocupacional?

A verdade é que nenhuma atividade de trabalho está completamente livre de riscos, não é mesmo? O RH pode atuar na melhoria da saúde ocupacional em praticamente todos os setores. São esses profissionais que vão tomar conta da audiometria dos atendentes de call center, por exemplo. Esses empregados não podem trabalhar mais de 6 horas e 20 minutos por dia, por questão de saúde, você sabia?

Assim como os motoristas, são submetidos a altos níveis de estresse. E também por lei, precisam tirar pausas periódicas para preservação das cordas vocais, aparelho auditivo e descontração muscular.

O setor da indústria também pode ser muito beneficiado pela atuação do RH para melhorar a saúde ocupacional. Além de indicar os melhores e mais apropriados EPI’s, fiscaliza o seu uso e proporciona atendimento imediato para casos de acidente no local de trabalho.

Alguns segmentos requerem mais exposição de seus trabalhadores a riscos iminentes. É o caso de quem trabalha com gases tóxicos, luz ou calor excessivo, desastres naturais e, até mesmo, ataques de animais e insetos como no caso dos espeleólogos. A saúde ocupacional, para esses exemplos, precisa ser constantemente aperfeiçoada pelos Recursos Humanos para atender as demandas legais e de mercado.

O exame toxicológico para empresas de transporte, nosso foco maior nesse texto, colabora de forma decisiva para melhoria dos índices de RH. Pela atuação da saúde, o exame toxicológico além de aumentar a segurança para pedestres, motoristas e passageiros nas estradas e rodovias, também ajuda a aumentar o engajamento dos colaboradores e a mantê-los saudáveis.

O turnover também reduz bastante com a aplicação do teste, já que dificilmente os usuários de drogas conseguem se manter por muito tempo em um emprego. Logo, ajuda a selecionar os melhores candidatos e a manter os bons empregados em seu quadro de funcionários.

A Lei 13.103 se mostrou mesmo eficaz para o contexto do trânsito e tráfego brasileiros, sabia? As políticas contra o uso de drogas associado à direção veicular foram elogiadas pela ONU e apontaram redução em vários índices importantes.

Em vigor desde 2016, a obrigatoriedade de se realizar o exame toxicológico para a segurança nas estradas ajudou a diminuir o número de motoristas profissionais usuários de drogas, impedindo que renovassem a habilitação.

Com apenas 6 meses de aplicação dessa lei, os acidentes em estradas federais diminuíram uma média de 38%. Ainda estamos abaixo da meta estipulada pela ONU de 50%, mas, com certeza, esse é o caminho, ou rota, certos!

Viu como a saúde ocupacional pode atuar para beneficiar vários setores da sociedade?

5. Qual o impacto da saúde ocupacional para os resultados do negócio?

Trabalhar de forma preventiva é sempre o melhor remédio. Todo empreendedor sonha com um ambiente de trabalho livre de riscos e com produtividade a todo vapor, não é verdade? Infelizmente é preciso trabalhar com fatores bem imprevisíveis, o que torna praticamente impossível transformá-lo em um “mar de rosas.”

Por exemplo, eventualmente um colaborador ou outro precisará faltar ao expediente por motivos pessoais, sem avisar com antecedência. Imprevistos acontecem e estamos todos a mercê dos acontecimentos da vida, certo? Ou seja, zerar o absenteísmo é uma tarefa difícil, mas reduzir seus índices é bem possível. Quando as pessoas trabalham saudáveis e dispostas, os indicadores dos faltosos realmente diminui.

No setor de transportes, a saúde ocupacional pode ser decisiva, inclusive, para a vida do motorista. De 2011 a 2015, só na área de cargas, ocorreram 81.997 acidentes de trabalho. Isso levou a morte de mais de 2 mil trabalhadores do segmento, uma média de mais de 17 mil acidentes ao ano.

Como falado no item anterior, a política brasileira contra o uso de drogas no trânsito tem se mostrado eficaz e é mostrada ao mundo todo como modelo. Isso impacta diretamente o bom funcionamento das empresas de logística. Quando cai o índice de acidentes, muitos gastos podem ser poupados.

Além da assistência médica devida e, sempre que necessário, arcar com afastamento do colaborador e auxílio aos familiares, também existem os gastos de reparos emergenciais nos veículos avariados da frota. Além de reduzir a vida útil do carro, máquina parada é sinônimo de dinheiro jogado fora, não é verdade? Custos que podem ser evitados, ou no mínimo, diminuídos.

Um setor de saúde ocupacional engajado no crescimento da empresa, com certeza vai colaborar para que os riscos do setor impactem de forma mais branda o cotidiano e o caixa da organização.

6. Quais ações desenvolver para promover a saúde entre os colaboradores?

As ações de prevenção ao uso de drogas cada vez mais precisam ser criativas e inovadoras. Mas, é claro que as campanhas não param por aí. É preciso também apresentar conteúdos relevantes, que interessem ao público com que se está lidando.

Para os motoristas, sabe-se que dentre as drogas mais usadas pela categoria estão o ecstasy e o rebite. Informá-los sobre o mal que essas e outras drogas trazem ao organismo, levar palestras e dinâmicas com especialistas são tarefas básicas, que precisam periodicamente ser realizadas pelas empresas de transporte.

Algumas ações podem ter impacto de maior ou mais curto prazo na saúde ocupacional. Veja alguns exemplos.

Campanhas de vacinação

Além de evitar o contágio por doenças transmissíveis e colaborar para o bem-estar do trabalhador, reduz o número de faltas por adoecimento. Lembrando que principalmente para os caminhoneiros, que têm idade média de 44 anos, ter todo o cuidado se faz realmente muito necessário. E para os empregados maiores de 60, é bom ficar ainda mais atento, não é verdade? O risco de contrair doenças infectocontagiosas aumenta consideravelmente nessa faixa etária.

Uma pesquisa mostrou que no setor industrial, a cada 1 real investido em imunização por meio de vacinas, a economia é de 2 reais em gastos contornados, provavelmente com a ausência do funcionário.

Em 2013 mais de 900 mil profissionais desse setor foram imunizados para gripe (Influenza) e estima-se que se tenha evitado mais de 60 mil novos casos da doença, já pensou? O cálculo indica que as indústrias economizaram cerca de 71 milhões de reais, uma quantia considerável, certo?

Evita-se a transmissão de doenças para outros colaboradores, clientes, passageiros e quem mais circula pelo ambiente da empresa. É uma questão de saúde até simples. Geralmente, as doenças contagiosas que afastam as pessoas do ambiente de trabalho, ou, em casos mais sérios, levam a morte, são evitáveis com a imunização dos grupos de risco.

Incentivo a prática esportiva

Os benefícios de ter hábitos saudáveis são muitos. A prática esportiva regular, por exemplo, deixa o sujeito mais disposto e previne uma série de doenças, olha só.

Acidente vascular cerebral

Sim! Como o exercício físico melhora muito a circulação sanguínea e os batimentos cardíacos, evita que coágulos ou acúmulos de sangue se formem no cérebro. O risco de AVC pode ser reduzido em até um terço dos casos para aqueles que recorrem a prática esportiva.

Diabetes tipo 2

A maioria dos problemas no pâncreas podem estar diretamente ligados a alimentação ruim e também a ociosidade. Sem se exercitar, o corpo passa a armazenar gordura, o que atrapalha o bom funcionamento não só do pâncreas, mas também do fígado, vesícula biliar e outros órgãos.

Osteoporose

A atividade física frequente ajuda a fortalecer músculos, tendões e ossos. Ao contrário do que se pensa, o desgaste físico prejudicial a saúde usualmente não aparece em atletas amadores e iniciantes, mas naqueles de alto rendimento.

Câncer

Levar uma vida saudável, com refeições adequadas e exercício físico frequente, pode reduzir em até 30% os casos de câncer de intestino. Para o câncer de mama, as estatísticas apontam que a redução pode chegar a até 40% dos casos.

Promover ações voltadas para o esporte é uma excelente ideia para as empresas. É possível premiar aqueles colaboradores que usam a bike como meio de transporte, realizar campeonatos internos de futebol e outras modalidades, por exemplo, e até criar cartões de descontos em academias e clubes poliesportivos.

Veja os benefícios a curto prazo de se praticar esportes regularmente.

  • melhora da circulação;
  • ajuda na flexibilidade do ligamentos;
  • combate falta de sono e ansiedade;
  • melhora a respiração;
  • equilibra os níveis de colesterol no sangue;
  • ajuda a eliminar tecido adiposo;
  • aumenta oxigenação no cérebro;
  • melhora o desempenho e disposição sexual.

Aulas de alongamento

O alongamento é uma atividade que pode ser praticada por qualquer pessoa, de qualquer idade. Ajuda a reduzir a tensão causada pelos movimentos do corpo e a aumentar a flexibilidade e força dos músculos e ligamentos.

Não exige um excelente condicionamento físico e pode ser feita em praticamente qualquer lugar, além de não tomar muito tempo da rotina do trabalhador. Dá para fazer parado, onde a pessoa estaticamente tensiona os membros por alguns segundos, estimulando determinadas áreas ou por meio de movimentos sucessivos.

A intensidade e frequência com que esses exercícios são recomendados varia de acordo com a intenção do praticante. Obviamente, atletas e pessoas mais assíduas vão executar as atividades com mais força e velocidade.

Além de ajudar o funcionário a ficar mais bem-disposto, os profissionais que atuam com saúde ocupacional gostam de aplicar as aulas de alongamento por também estimular a interação e o engajamento dos colaboradores e não representar um alto custo para a empresa.

Claro, os benefícios corporais proporcionados pelo alongamento orientado também podem ser complementados com uma pequena lista.

  • previne lesões;
  • relaxa o corpo;
  • fortalece as articulações;
  • melhora a elasticidade do corpo;
  • melhora o rendimento no cotidiano.

Ginástica laboral

São exercícios simples, geralmente realizados no próprio ambiente de trabalho. O objetivo, assim como os itens anteriores, é evitar lesões e doenças ocupacionais. É uma prática antiga, ao contrário do que muitos pensam. Surgiu na Polônia em 1935 e era, inicialmente, chamada de ginástica de pausa.

Quebrar a rotina com uma atividade inusitada é ótimo para estimular a produtividade e espantar o estresse de ter que insistir em uma tarefa de difícil execução. Para a saúde ocupacional, a ginástica laboral também tem a função de explicar e orientar sobre postura corporal, hábitos saudáveis e exercícios específicos para quem trabalha sentado por muito tempo e para quem precisa fazer movimentos repetitivos. Veja a lista com mais benefícios da ginástica laboral.

Melhora o condicionamento físico

É uma atividade física bem leve. Para quem almeja subir o nível da intensidade, já é um bom começo.

Potencializa a produtividade individual

Sentindo-se mais disposto, o colaborador trabalha mais focado e com os pensamentos em ordem.

Ajuda na coordenação motora

Quando estamos em um ritmo frenético no trabalho, as ideias começam a ficar um pouco confusas, não é verdade? Isso interfere tanto em seu desempenho mental quanto motor.

A ginástica laboral auxilia a reparar esses desajustes fazendo com que as tarefas mais simples sejam executadas com mais facilidade e rapidez.

Reduz a fadiga

A fadiga corporal ou emocional pode pegar qualquer ocidental de surpresa. Os exercícios simples propostos pela saúde ocupacional ajudam a reduzir a fadiga e a relaxar pontos de tensão nos músculos e articulações. Quando estamos com a “cabeça cheia,” a ginástica laboral se mostra eficiente para ajudar o funcionário a descontrair, relaxar e distrair um pouco, é claro.

Diminui afastamentos

Se os problemas ergonômicos estão afastando seus funcionários das atividades profissionais, fica a dica para começar a praticar a ginástica de pausa e conferir os resultados. É claro que não podemos esperar que essa ação seja milagrosa, mas, com certeza, atrapalhar é que não vai, somente ajudar.

Melhora a autoestima

Os benefícios psicológicos se estendem para a autoimagem e a autoestima. Os resultados da aplicação da saúde ocupacional interferem diretamente na qualidade de vida.

Concluindo, a saúde ocupacional é uma área que precisa ser adequada à realidade da empresa. Cada organização vai promover as ações que julgar prioritárias para seu público, e também, o orçamento adequado e disponível para a realização de cada uma delas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), incentiva a prática e a pesquisa em medicina do trabalho pois assim se proporciona melhores condições aos empregados e bem-estar social por meio da prevenção.

Deste modo, a empresa pode contar com um trabalhador mais motivado e uma rotina mais controlável, livre de acidentes e imprevistos que causem prejuízos. E se quer ter um quadro de funcionários estável e com baixo índice de turnover, investir nessa área, você deve ter percebido, é essencial para o sucesso do negócio.

Viu como a saúde ocupacional é vital para o bom funcionamento das atividades da organização? É muito importante para todos os envolvidos nas atividades da empresa, mas principalmente para os motoristas, no caso do setor de transporte.

Sua rotina de trabalho pesado exige um alto nível de concentração, controle emocional e resistência física. Por isso, infelizmente alguns ainda acabam cedendo ao perigo das drogas. Recorrem a isso como medida desesperada, e, por isso precisam ser orientados e informados constantemente sobre o risco de serem impedidos de trabalhar. Novamente, claro, tarefa da saúde ocupacional.

Se gostou deste conteúdo, assine nossa newsletter para ficar sempre informado sobre temas interessantes como esse. Não deixe de conferir e até mais!