No Brasil, o trânsito é responsável por interromper muitas vidas. O chamado motorista cinco estrelas está cada vez mais raro no país. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, até o ano de 2017, o país ocupava a quarta posição no índice de mortes nas Américas. Os dados apontam ainda que, além da média de 47 mil mortes no trânsito registradas por ano, 400 mil pessoas ficam com alguma sequela.

Para diminuir esses índices, existe um conjunto de técnicas que devem ser praticadas por todos os condutores: a direção defensiva. Por meio dela, o condutor guia seu veículo com responsabilidade e cautela, prezando pela segurança de todos.

Algumas normas de legislação também foram criadas para reduzir os efeitos negativos causados pela condução irresponsável, como a aplicação do exame toxicológico e o tempo máximo de direção. Contudo, a mudança principal precisa vir do comportamento dos motoristas.

Pensando nisso, criamos esta cartilha do bom condutor. Com ela você descobrirá tudo o que precisa saber para se tornar um bom motorista e aumentar a sua segurança nas vias de trânsito. Confira!

Os desafios de quem vive diariamente o trânsito do país

Vida de motorista não é fácil. São incontáveis as horas passadas no volante — muitas vezes, longe da família — onde o profissional precisa lidar com os desafios encontrados na estrada. Entre eles, destacam-se os acidentes, o estresse causado pela profissão e as más condições das vias de trânsito.

Os acidentes

Apesar de ser proibido e penalizado por lei, ainda é possível encontrar motoristas usando celular ao volante ou dirigindo embriagados. Tais atos de imprudência aumentam consideravelmente as chances de ocorrência de acidentes. Assim, a irresponsabilidade de alguns afeta a segurança de todos.

Dados do DPVAT mostram que, durante o ano de 2017, 41.151 pessoas foram vítimas de acidentes envolvendo veículos, o que resultou em um aumento de 23% nos índices de mortes no trânsito. Além disso, os estados do Rio de Janeiro e São Paulo tiveram destaque, com alta de 34% e 20%, respectivamente.

O estresse

A vida corrida dos motoristas no trânsito brasileiro também é cheia de estresse. Além das pressões relacionadas ao trabalho, como cumprir horários e evitar danos ao veículo, o motorista ainda precisa lidar com o cansaço, o desgaste da longa jornada de trabalho e medo da violência presente nas pistas do país.

Esse acúmulo diário de estresse é muito prejudicial à saúde do condutor. Isso porque esse é um fator que colabora para o surgimento de problemas cardíacos, hipertensão e até mesmo diabetes, além de ser responsável pelo aumento da ansiedade. O estresse também pode ajudar a desenvolver ou agravar quadros de depressão e insônia.

As estradas em más condições

Além do estresse, da imprudência, do desrespeito e dos outros desafios citados, os motoristas enfrentam em sua rotina um obstáculo muito comum: as ruas e estradas em más condições. De acordo com um levantamento realizado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), 61,8% das rodovias brasileiras estão em condições regular, ruim ou péssima.

Os dados foram coletados em 2017 e mostraram que a piora mais acentuada está relacionada à sinalização, que caiu de 48,3% para 40,8% na classificação como boa ou ótima. As más condições encontradas nas vias prejudicam a rotina dos motoristas, visto que elas são, juntamente com os veículos, os instrumentos de trabalho desses profissionais.

As características do motorista cinco estrelas

Algumas características são essenciais para definir quando alguém é um bom condutor ou não. Tratam-se de questões básicas, mas que, quando praticadas, fazem muita diferença no dia a dia do trânsito. Por isso, listamos cada uma delas em nossa cartilha do bom condutor. Veja:

Está sempre atento às suas obrigações

Todos nós, em qualquer aspecto da vida, temos direitos e obrigações. No trânsito, isso não é diferente. O bom motorista está sempre com suas obrigações em dia, principalmente quando se trata da renovação da CNH. Esse é um processo bem simples, mas que ainda é negligenciado por alguns condutores.

A validade desse documento equivale à do exame médico realizado para obter a CNH. Ou seja, 5 anos para condutores com idade inferior a 65 anos. Para os demais, a validade é de 3 anos. O prazo para realizar a renovação é de 30 dias após o vencimento.

Caso o motorista deixe de fazer isso, ele não pode dirigir, pois além de ser considerada uma infração gravíssima (a multa fica em cerca de R$290,00), o condutor ainda terá a sua habilitação apreendida.

Respeita todas as regras de trânsito

Que regras foram feitas para serem cumpridas, todos nós já sabemos. Contudo, na prática isso nem sempre acontece, o que torna o ambiente das ruas ainda mais perigoso. No trânsito, o respeito às regras também significa respeito à vida. Isso porque essas normas foram criadas para garantir a segurança tanto de pedestres quanto de condutores. Por isso, um bom motorista está atento às placas, semáforos, faixas de pedestres e demais sinalizações das vias.

O condutor responsável também não mantém hábitos negativos, como reduzir a velocidade só quando estiver prestes a passar por um radar e acelerar logo em seguida, realizar ultrapassagens em áreas proibidas ou utilizar o acostamento para fugir da lentidão do trânsito.

Além disso, sempre conduz o veículo portando a sua habilitação, seja a CNH digital ou a convencional versão impressa. Dessa forma, ele garante que a pontuação da CNH não será comprometida.

Zela pela integridade do veículo e dos passageiros ou cargas

Um bom condutor, além de se preocupar com a sua própria segurança no trânsito, também zela pela integridade do veículo que conduz e dos passageiros ou cargas que transporta. Motoristas de ônibus, por exemplo, precisam evitar freadas bruscas ou acelerar o veículo inesperadamente, principalmente quando os passageiros estão em pé, pois eles podem perder o equilíbrio e se machucarem. O mesmo vale para aqueles que transportam cargas, principalmente as mais frágeis.

Além disso, os danos causados ao veículo também apontam quem é um bom motorista e quem não é. Por exemplo: substituir algum coxim do motor antes de atingir 80 mil km rodados indica que, provavelmente, o condutor foi negligente em lombadas e abusou das arrancadas. Se o motor sofrer um calço hidráulico também pode ser sinal de uma condução inapropriada, pois isso acontece quando o motorista se arrisca passando em áreas alagadas sem saber a profundidade.

A importância da direção defensiva

A direção defensiva deve ser uma prática constante na vida dos condutores. Trata-se de um conjunto de técnicas de prevenção usadas para evitar acidentes e para aumentar a segurança dos motoristas que dirigem em condições adversas. O motorista defensivo dirige zelando por si e pelos outros, respeitando a legislação de trânsito e guiando seu veículo com cautela. Quer conferir a importância dessa conduta? Vamos lá!

Garante mais segurança

Entre as diversas técnicas da direção defensiva, algumas das mais importantes são a atenção à pista e à sinalização, a manutenção constante do veículo, a direção em condições adversas e o respeito às normas de trânsito. Esses tópicos abordam questões essenciais para a garantia da segurança nas estradas e, para os motoristas profissionais, eles são particularmente importantes. Afinal, quem está diariamente na estrada fica exposto a diversos riscos.

A direção defensiva, além de prevenir que esses profissionais se envolvam em acidentes, também evita que precisem pagar os danos causados ao veículo ou que sofram ferimentos e sequelas graves, capazes de impossibilitar que exerçam sua profissão.

Reduz os níveis de estresse do condutor

Quando nos colocamos em uma situação de risco, como infringir uma lei ou dirigir em alta velocidade durante uma tempestade, nosso cérebro percebe que estamos em uma situação perigosa e entra em um estado de hipervigilância. Nesse momento, dois hormônios ligados ao estresse são liberados no sangue: a adrenalina e o cortisol.

O motorista que pratica a direção defensiva sabe que está cumprindo normas importantes para a garantia da sua própria segurança. Por isso, ele consegue conduzir seu veículo sem sofrer tanto com os danos do estresse, simplesmente por saber que não está colocando sua vida em risco.

Melhora as condições do trânsito

O trânsito caótico e estressante que vemos nas grandes cidades é, muitas vezes, resultado da falta de respeito e da impaciência de alguns condutores. Os motoristas, profissionais ou não, se mostram irritados com o grande fluxo de veículos que os impede de chegar rapidamente aos seus destinos. Com isso, surgem as ultrapassagens pelo acostamento, as buzinas e até algumas discussões.

A direção defensiva condena esse tipo de atitude, pois elas só contribuem para aumentar as dificuldades do trânsito e os índices de violência desse meio. Assim, quanto mais motoristas se conscientizarem sobre isso e praticarem diariamente a direção responsável, melhor será a condição do trânsito do país.

Deixe seu email e ganhe desconto na compra do seu Exame Toxicológico na LABET!

O cuidado com os pedestres

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, a proteção deve vir do maior para o menor. Ou seja, o pedestre, por ser o mais frágil no trânsito, deve ser o alvo de maior cuidado. Por isso, o bom condutor deve estar atento a alguns aspectos para evitar que acidentes aconteçam.

Em áreas residenciais

Em áreas habitacionais, o trânsito, na maioria das vezes, é menos intenso. No entanto, isso não significa que o condutor pode relaxar e prestar menos atenção enquanto dirige. Muito pelo contrário. Justamente por serem mais tranquilas, essas áreas escondem alguns perigos. É comum que os pedestres fiquem mais imprudentes nesses locais, pois a baixa movimentação de veículos gera a falsa sensação de segurança.

Assim, não é raro encontrar pedestres caminhando no meio da rua, pessoas atravessando sem olhar para os lados ou moradores conversando em esquinas. Outro fator são os idosos e as crianças. Os idosos, além de se deslocarem com mais lentidão, costumam ter a visão ou a audição comprometida e podem não perceber um veículo se aproximando. Também é preciso cuidado com crianças brincando na rua, pois elas são distraídas e imprevisíveis.

Em áreas escolares

As áreas escolares representam um grande perigo para os condutores, uma vez que com o fluxo intenso de crianças e jovens aumentam as chances de o motorista se envolver em acidentes. O cuidado deve ser voltado, principalmente, para os horários de entrada e saída dos alunos. É preciso ter atenção especial ao comportamento das crianças, pois elas são agitadas e costumam atravessar na frente dos carros.

Além de contarem com a movimentação intensa de crianças e jovens, as áreas escolares também geram um grande fluxo de veículos, pois muitos pais buscam seus filhos de carro e outros optam pelas vans de transporte escolar.

O fato de haver tantos condutores juntos no mesmo local é mais um indicador de atenção
à segurança dos pedestres, pois os motoristas ficam mais impacientes com a lentidão e torna-se fácil encontrar algumas infrações que dificultam a passagem, como a formação de filas duplas.

Em locais próximos a cruzamentos ou esquinas

Apesar das recomendações para que o pedestre só atravesse a rua em locais com semáforo ou faixa de pedestre, é fácil encontrar situações onde isso não acontece. Até porque nem todas as pistas contam com esse tipo de sinalização. Por isso, os motoristas precisam estar atentos aos pedestres que surgem sem aviso ao longo do caminho.

Alguns pedestres têm um hábito imprudente que piora ainda mais essa situação e que pode gerar graves acidentes: atravessar a rua em cruzamentos ou em locais muito próximos às esquinas. O problema disso é que esses lugares comprometem a visibilidade do motorista. Afinal, antes de virar uma rua, por exemplo, ele não poderá ver que existem pedestres atravessando, o que aumenta a chance de atropelamentos. Por isso, o motorista precisa redobrar a atenção e manter a velocidade baixa sempre que transitar próximo a esses locais.

Atenção à legislação

Os motoristas profissionais precisam levar em conta alguns aspectos importantes da legislação de sua profissão. Esses pontos são regulamentados pela Lei 13.103/2015, também conhecida como Lei do Motorista ou Lei do Caminhoneiro, e são fundamentais para a garantia de uma condução segura e tranquila.

Jornada de trabalho

De acordo com essa lei, a jornada de trabalho diária do motorista deve ser equivalente a oito horas, podendo haver a prorrogação por até duas horas extraordinárias. No entanto, os intervalos para refeição, que precisam ser de no mínimo uma hora, não entram na jornada de trabalho.

Mas, porque o motorista precisa dar atenção a isso? Simples: devido ao período de repouso! Qualquer profissional precisa estar descansado e bem-disposto para exercer suas funções. No caso dos motoristas, o repouso é ainda mais importante, pois um condutor sonolento tem mais dificuldade para guiar seu veículo, visto que seus reflexos ficam comprometidos.

Tempo de direção

Além de respeitar o limite estabelecido para a jornada de trabalho, o motorista também precisa observar o tempo de direção. A lei prevê que o condutor de veículo de transporte de carga não pode dirigir por mais de cinco horas e meia ininterruptas. Ela estabelece, ainda, um intervalo de descanso obrigatório de 30 minutos a cada seis horas de condução.

Esse intervalo é fundamental para que o motorista relaxe a mente e consiga manter o foco enquanto dirige. Isso porque nosso cérebro não é capaz de passar longos períodos dedicando atenção total a uma atividade, especialmente quando ela é repetitiva. Por isso, quanto mais tempo se passa na condução, mais desatento e imprudente se torna o motorista.

Exame toxicológico

Outro ponto importante tratado por essa lei está relacionado à aplicação do exame toxicológico. De acordo com ela, os motoristas devem ser submetidos a esse procedimento no momento da admissão e no desligamento de sua função. Ele também é exigido para a renovação da CNH ou para transitar para os tipos de carteira de motorista C, D ou E.

A aplicação do exame toxicológico tem um objetivo muito claro: evitar que os condutores utilizem drogas e entorpecentes enquanto dirigem. Apesar de ser proibido e perigoso, esse hábito ainda é muito praticado por motoristas que querem passar mais tempo acordados para cumprir prazos. Contudo, se o exame acusar o uso de substâncias tóxicas, o motorista perde o direito de dirigir por 3 meses e depende do resultado negativo em um novo exame para reverter a punição.

Respeitar essas determinações é essencial, pois todas elas visam garantir que o condutor só exerça sua profissão se estiver em boas condições para guiar o veículo, ou seja: com o sono em dia, com o corpo e a mente descansados e jamais sob o efeito de drogas e entorpecentes.

Boas práticas no trânsito

Agora você já conhece alguns cuidados que devem ser tomados pelo motorista e sabe a importância da direção defensiva. Portanto, vamos completar a nossa cartilha do bom condutor mostrando as principais condutas que devem ser tomadas na estrada para que você se torne definitivamente um motorista cinco estrelas. Confira!

Mantenha uma boa postura

Ao dirigir, é importante evitar o desgaste físico. Para isso, é fundamental manter a postura correta, que, aliás, ajuda o condutor a tomar ações rápidas diante de um imprevisto. Posicione bem as costas no banco, de preferência mantendo um ângulo de 90 graus, e evite se dobrar sobre o volante. Braços e pernas podem ficar ligeiramente dobrados. Já os pés, quando não estiverem nos pedais, devem ser apoiados no chão do veículo. Para finalizar, mantenha o encosto da cabeça na altura dos olhos.

Evite distrações

Manter o foco durante a condução é uma das principais formas de se prevenir contra acidentes. Portanto, procure evitar qualquer distração enquanto estiver ao volante. Não precisamos dizer que isso inclui não utilizar bebidas alcoólicas, drogas e celulares, certo? Além disso, evite dar atenção a conversas e a animais soltos nos veículos. Seu foco precisa estar na pista, nos retrovisores e nas informações do painel do veículo.

Preste atenção no clima

Um bom motorista precisa estar apto a dirigir em situações adversas. Afinal, nunca se sabe quando o clima vai mudar. Em caso de chuva, o ideal é acionar a luz baixa do farol e reduzir a velocidade. Preste atenção especial quando for frear e não utilize muita força nesse momento, assim o veículo não derrapa. Também tenha cuidado com a aquaplanagem. Para evitá-la, é importante guiar o veículo em baixa velocidade e não fazer frenagens bruscas.

Atente-se às condições da pista

Esteja atento aos obstáculos da pista, como buracos, lama ou poças de óleo, pois eles podem gerar acidentes ou causar danos no veículo. Cruzamentos também pedem atenção redobrada. Além disso, em locais com declive, é interessante manter o carro engrenado, assim pode-se usar a força do motor para pará-lo caso ocorra algum imprevisto.

Utilize a sinalização correta

As manobras no trânsito devem ser sempre bem sinalizadas entre os motoristas. Assim, quando precisar fazer uma curva ou mudar de pista, sinalize com antecedência para que os demais condutores possam tomar uma ação apropriada. Também fique atento aos sinais de outros motoristas, eles podem estar pedindo que você abra passagem. Por fim, se precisar parar no acostamento, sinalize com o pisca alerta e com o triângulo de segurança, especialmente durante a noite.

Mantenha uma distância segura

A rotina no trânsito é cheia de imprevistos. Um motorista pode frear bruscamente, um carro pode “morrer” no meio da pista, alguém pode fazer uma ultrapassagem sem aviso… Assim, para evitar possíveis transtornos e, principalmente, colisões, é imprescindível manter uma distância segura do carro à sua frente. Você pode utilizar as placas ou faixas pintadas na rua para calcular a distância ideal, que deve ficar entre 2 e 4 metros. Esse cuidado também é importante para os dias chuvosos ou com neblina, pois essas condições comprometem a visibilidade do condutor.

Observe as condições do veículo

Antes de iniciar a viagem, observe cuidadosamente as condições do veículo. Verifique a calibragem do pneu, o estado dos freios, a posição dos espelhos retrovisores e o funcionamento dos faróis, setas e pisca alerta. Atente-se também para o nível de água e óleo e para o estado do limpador de para-brisa. Por fim, observe a conservação do cinto de segurança e da suspensão, além de verificar os itens exigidos pelo Contran, como triângulo, extintor de incêndio e estepe.

Como você pôde perceber, existe um conjunto de atitudes e comportamentos que formam um bom condutor. Por isso, é preciso estar atento às boas práticas do trânsito e respeitar a legislação que rege a profissão de motorista, especialmente quando ela trata das questões de descanso e da realização do exame toxicológico. Além disso, também é necessário prezar pela segurança do pedestre e manter suas obrigações sempre em dia. Assim, você com certeza se tornará um motorista cinco estrelas!

Gostou da nossa cartilha do bom condutor e quer ter acesso a outros conteúdos com assuntos relacionados? Então, não deixe de assinar a nossa newsletter e receba nossas indicações direto em seu e-mail!

Powered by Rock Convert